Avisos Paroquiais
Receba nosso informativo diretamente em seu e-mail.
“OS SINAIS QUE ACOMPANHAM A BOA NOVA”

22/05/2012

20/05/2012

At 1, 1 – 11; Sl 46 (47); Ef 1, 17 – 23; Mc 16, 15 – 20

TEMA: “OS SINAIS QUE ACOMPANHAM A BOA NOVA”

hhhhhhhhhhh

hhhhhhhhhh

Festa da Ascensão é a segunda face da Pascoa. A Ressurreição de Cristo marca o começo de um mundo novo, início da criação nova, foi preciso a Ascensão para os primeiros cristãos para realizar essa nova criação. As leituras deste final de semana mostra que Cristo está, ao mesmo tempo, no céu e na terra, assim como nós estamos, ao mesmo tempo, na terra e já no céu.                                                                                                                               

Jesus aparece aos onze discípulos e os repreende por não terem acreditado nas pessoas que o tinham visto ressuscitado. São Marcos se refere à resistência dos discípulos em crer no testemunho daqueles e daquelas que experimentaram a ressurreição de Jesus. Por que será? Provavelmente, para ensinar duas coisas. Primeiro, que a fé com Jesus passa pela fé nas pessoas que dão testemunho dele. Segundo, que ninguém deve desanimar, quando a descrença nasce no coração. Até os onze discípulos tiveram dúvidas.                                                                                                                        

Em seguida, Jesus lhes dá a missão de anunciar a Boa Nova a toda criatura. A exigência que ele coloca é está: crer e ser batizado. Aos que tiverem a coragem de crer  na Boa Nova e forem batizado, ele promete os seguintes sinais: “expulsarão demônios, falarão novas línguas ,pegarão em serpentes e não serão atingidos pelo seu veneno, colocarão as mãos aos doentes e eles ficarão curados”. Isto acontece hoje:                                                                                                                                                                     *EXPULSARÃO DEMÔMIOS: é combater o poder do mal que estraga a vida. A vida de muita gente ficou melhor pelo fato de ter entrado na comunidade e de ter começado a viver a Boa Nova da presença de Deus em sua vida.                                                                                                                              

*FALAR NOVAS LINGUAS: é começar a comunicar-se com os outros de maneira nova. Às vezes, encontramos uma pessoa que nunca vimos antes, mas parece que já nos conhecemos há muito tempo. É porque falamos a mesma língua, a língua do amor.                                                                               

*VENCER O VENENO: há muita coisa que envenena a vida em comunidade. Muita fofoca que estraga o relacionamento entre as pessoas. Quem vive a presença de Deus dá a volta por cima e consegue não ser atacado por este veneno terrível.                                                                                                 

*CURAR DOENTES: em todo canto onde aparece uma consciência mais clara e viva da presença de Deus aparece também um cuidado especial para com as pessoas excluídas e marginalizada, sobretudo para com os doentes. Aquilo que mais favorece a cura é a pessoa sentir-se acolhida e amada.                                                                                                                              

Através  da comunidade Jesus continua a sua missão (Mc 16, 19-20). O mesmo Jesus que viveu na Palestina e lá acolhia os pobres do seu tempo, revelando assim o amor do Pai, este mesmo Jesus continua vivo no meio de nós, nas nossas comunidades. E através de nós, ele continua a sua missão para revelar a Boa Nova do amor de Deus pelos pobres. Até hoje, a ressurreição acontece. Ele nos leva a cantar: “Quem nos separará,  quem vai nos separar do amor de Cristo, quem nos separará?” Poder nenhum deste mundo é capaz de neutralizar a força que vem da fé na ressurreição (Rm 8, 35 – 39). Uma comunidade que quiser ser testemunha da ressurreição deve ser sinal de vida, deve lutar contra as forças da morte, para que o mundo seja um lugar favorável à vida, deve crer no outro mundo possível. Sobretudo aqui na América Latina, onde a vida do povo corre perigo por causa do sistema de morte que nos foi imposto, as comunidades devem ser uma prova viva da esperança que vence o mundo, sem medo de ser feliz.

Pe. José Afonso de Souza

Jacareí, 20 de Maio de 2012

Fonte: Raymond Gravel, sacerdote de Quebec, Canadá (Tradução: Susana Rocca)                                                                                                                                        

Carlos Mesters e Mercedes Lopes, “Caminhando com Jesus”, Cebi

                                                                                                                    

Voltar

 
| Política de privacidade